Tireoidite de Hashimoto

A Tireoidite de Hashimoto, também conhecida como tireoidite linfocítica crônica, é uma doença autoimune que tem como principal característica a inflamação da tireoide, sendo causada por uma inadequação no sistema imunológico.

Na tireoidite de Hashimoto, o organismo do paciente fabrica anticorpos que atacam as células da tireoide. Com isso, esses anticorpos acabam provocando a destruição da glândula ou a redução de sua atividade, podendo resultar em hipotireoidismo em virtude da carência na produção dos hormônios T3 e T4.

O que faz a glândula tireoide?

Resumidamente, a tireoide é uma glândula localizada na região anterior do pescoço. Ela tem a função principal de produzir hormônios responsáveis por regular boa parte do funcionamento das células do corpo.

Alguns estudos apontam que a tireoidite de Hashimoto pode ser mais comum em determinadas famílias, o que pode indicar que a doença é amparada em fatores genéticos.

Pesquisas médicas recentes também mostram que a tireoidite de Hashimoto acontece com mais frequência entre as mulheres. Além disso, a sua prevalência pode aumentar consideravelmente à medida que as pessoas envelhecem.

Por se tratar de uma doença de evolução lenta, os primeiros sintomas só aparecem quando o hipotireoidismo está instalado. O mais indicado para controlar possíveis complicações é sempre buscar acompanhamento médico como forma de prevenção e qualidade de vida.

Qual a diferença entre hipotireoidismo e tireoidite de Hashimoto?

Como já foi mencionado anteriormente, a tireoidite de Hashimoto é uma inflamação autoimune crônica da tireóide, altamente silenciosa. A tireoidite de Hashimoto acontece quando o corpo ataca as células da tireoide.

O hipotireoidismo, por sua vez, é uma disfunção na tireoide, que se caracteriza pela queda na produção dos hormônios T3 (triiodotironina) e T4 (tiroxina), podendo ser uma consequência ou não da tireoidite de Hashimoto.

O que a tireoidite de Hashimoto pode causar? Quais são os sintomas?

Mesmo sendo uma doença silenciosa, alguns sinais do corpo podem surgir em certos pacientes e devem ser observados com cautela. Por isso, é fundamental fazer exames e consultas médicas com frequência, especialmente se existem casos do problema da família. 

Vale lembrar que ainda não se sabe ao certo o que faz o organismo produzir anticorpos contra as células da tireoide. 

Alguns especialistas sugerem que, além dos fatores genéticos, as infecções virais ou bacterianas, a exposição em excesso a certos tipos de medicamentos e ao iodo podem estar envolvidos no desenvolvimento da doença.

Embora não apresente sinais no início, a progressão da tiroidite de Hashimoto faz com que os sintomas fiquem mais fortes e se agravam.

Geralmente, é comum que a pessoa se sinta cada vez mais cansada e com pouca energia para realizar as atividades do dia a dia. Outro sintoma é o aumento no tamanho da tireoide e, consequentemente, a formação do bócio (papeira).

Abaixo, você confere os sintomas mais comuns em pessoas com tiroidite de Hashimoto:

  • Cansaço
  • Depressão
  • Adinamia (falta de iniciativa)
  • Pele seca e fria
  • Prisão de ventre
  • Diminuição da frequência cardíaca
  • Decréscimo da atividade cerebral
  • Voz mais grossa como a de um disco em baixa rotação
  • Mixedema (edema duro no pescoço)
  • Diminuição do apetite
  • Sonolência
  • Reflexos mais vagarosos
  • Intolerância ao frio
  • Ganho de peso
  • Câimbras
  • Alterações menstruais
  • Alteração na libido 

Como é o tratamento e diagnóstico?

Para fazer o diagnóstico da tiroidite de Hashimoto, o médico levará em conta as queixas do paciente que possam ter relação com a doença, entre elas, o aumento ou endurecimento da glândula, lentidão dos reflexos e anemia, por exemplo. 

O profissional também solicitará exames de sangue para avaliar a quantidade dos hormônios tireoidianos T3 e T4 no organismo, além do hormônio TSH produzido pela hipófise para estimular o funcionamento da tireoide. O resultado também mostrará a presença de anticorpos.

O tratamento da tiroidite de Hashimoto costuma ser longo, exige paciência e a dosagem do nível dos hormônios algumas vezes por ano. A dose usada na suplementação do hormônio tireoidiano, também chamado de levotiroxina, vai variar de acordo com o grau de deficiência da produção desse hormônio em cada paciente.

Nesse sentido, é fundamental que o tratamento seja feito com total comprometimento do paciente e com acompanhamento de um profissional médico. Esse é o melhor caminho para evitar complicações e combater a doença.

Além de seguir à risca as orientações do médico, é importante que o paciente tenha um estilo de vida saudável e use a medicina preventiva para combater outras doenças e fatores de risco que possam comprometer sua saúde, como obesidade, sedentarismo, alimentação irregular e excesso de álcool ou cigarro.

Gostaria de saber
mais sobre o
tratamento?
Agende Sua Consulta
[wpdevart_facebook_comment facebook_app_id="2348685775181667" curent_url="https://dralarissadiniz.com.br/tireoidite-de-hashimoto/" order_type="social" title_text="" title_text_color="#444444" title_text_font_size="16" title_text_font_famely="Cabin" title_text_position="left" width="100%" bg_color="#ffffff" animation_effect="random" count_of_comments="3" ]

O que achou do nosso conteúdo? Avalie:

Clique para Avaliar

Classificação Média 4.1 / 5. Contagem de Votos 34

Sem votos! Seja o primeiro!

Categorizado em:
Dra. Larissa Diniz
Médica, pós-graduada em Medicina Integrativa, Preventiva e Nutrologia, com experiência na área da Medicina da Saúde e do Estilo de Vida, tratando de doenças autoimunes, metabólicas, hormonais, crônicas e prevenção de doenças, sempre atuando na sua causa com uma Medicina Personalizada.

Pesquisar

searchclosedownloadmap-markerchevron-leftfacebook-squarebarsenvelopecomments-ostethoscopeinstagramwhatsappcalendar-check-ocross-circle linkedin facebook pinterest youtube rss twitter instagram facebook-blank rss-blank linkedin-blank pinterest youtube twitter instagram